sexta-feira, 23 de maio de 2014

Saudades...

 
Sem ar, sufocada, calada e à beira do nada.
Minha boca é agonia seca que se cala diante
das tuas palavras, do teu senão e da tua falta...
 
Coração deveria ter detector de desilusão,
alarme de emergência e por que não o botão
do pânico para ser acionado quando necessário.
Cansei de invasão e de posseiros sem razão.
Se alertada eu saberia em qual terreno pisaria...
Hoje quero apenas a segurança de terra firme...
Mas não, coração é terreno de ninguém até
que alguém entre tome posse e te possua.
Hoje eu não sou de ninguém...
Néia felippe
 
 
 


6 comentários:

  1. Magnífico e melancólico poema.

    Saudade, palavra triste quando se perde um grande amor...

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  2. Ah, Neia!
    Saudade é voltar ao que não se viveu naquilo que se viveu-e que esta então ainda disponível para ser vivido mas ainda com mais intensidade e consistência e liberdade.E o não ser de ninguém só projecta essa liberdade...O seu texto é um exame lúcido do amor próprio que é fundamento de qualquer relação humana...Te deixo um abraço carinhoso de Portugal para o Brasil.

    ResponderExcluir
  3. errata-
    ...e que está então ainda disponível para ser vivido...E o "
    não ser de ninguém" só projecta essa liberdade...

    ResponderExcluir
  4. Uma abençoada tarde de Domingo.
    Uma semana de benção para
    você.
    Beijos no coração afagos na sua
    Alma linda.
    Evanir..

    ResponderExcluir
  5. Parabéns finalmente chegou o dia da sua aposentadoria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Terça acaba o sufoco...Tenho certeza que logo será a sua. Beijos e saudades

      Excluir